top of page

Como as embaladoras de cítricos podem aumentar a lucratividade com soluções de classificação


O fato de os consumidores estarem ficando mais exigentes em relação às frutas cítricas está tendo consequências para as embaladoras. Seja qual for a variedade cítrica, o risco é o mesmo: se a fruta decepcionar o comprador, a marca de alimentos ou o varejista que a vendeu poderá perder vendas futuras. Isso significa que os varejistas esperam cada vez mais que seus fornecedores ofereçam perfeição - o que não é fácil para as embaladoras, pois as frutas que chegam são variadas e as que saem precisam atender a muitos requisitos.


Enfrentando os desafios futuros

Para os produtores, talvez o vento contrário mais forte seja a mudança climática, que causa severas variações sazonais, afetando diretamente no rendimento e na qualidade das safras. Em muitas regiões, há também a ameaça do greening dos cítricos (também conhecido como HLB ou Doença do Dragão Amarelo), que torna a fruta amarga e mata as árvores infetadas em poucos anos. No início dos anos 2000, a HLB devastou muitas fazendas de cítricos na Flórida, e a doença dizimou milhões de acres de árvores cítricas em todo o mundo. As contramedidas proativas podem ser eficazes, mas exigem vigilância constante, reduzem a produtividade e aumentam os custos.

Para embaladoras e re-embaladoras, os ventos contrários também estão vindo de diferentes direções. Enquanto as expectativas de qualidade estão aumentando, a crescente variabilidade das safras está empurrando na direção oposta. Classificar e inspecionar bem as frutas é vital, mas a cada ano está ficando mais difícil recrutar e reter pessoas para fazer isso. Os custos de mão de obra, energia e outros recursos essenciais estão subindo, intensificando a necessidade de maximizar os rendimentos e os lucros. Agora é mais importante do que nunca colocar a fruta certa na embalagem certa e no momento certo.


Brasil: Um país com história na Indústria cítrica

O Brasil é um tradicional produtor de frutas cítricas. A produção anual de frutas cítricas frescas no Brasil é de cerca de 18,5 milhões de toneladas. A laranja é a fruta cítrica mais produzida no Brasil, representando cerca de 80% da produção total. Outros cítricos produzidos no Brasil incluem limão, tangerina, grapefruit, lima e lima ácida.Aproximadamente 60% da produção de frutas cítricas frescas no Brasil é destinada ao comércio de fruta fresca, enquanto os 40% restantes são destinados a processados. O principal mercado para frutas cítricas frescas brasileiras é o mercado interno, seguido pelos mercados da União Europeia, Estados Unidos e Japão.

A indústria de frutas cítricas frescas no Brasil é uma das mais importantes do país, gerando cerca de R$ 9 bilhões em receita e 250 mil empregos na área rural. Espera-se que a indústria continue a crescer nos próximos anos, impulsionada pelo aumento da demanda interna e externa por frutas cítricas frescas.


As melhores soluções disponíveis

A TOMRA Food é a principal fabricante de máquinas de classificação e inspeção ótica para o setor de alimentos. A eficácia incomparável das soluções da TOMRA é resultado do investimento contínuo e significativo da empresa em pesquisa e desenvolvimento, de uma cultura de inovação profundamente enraizada e de décadas de trabalho em estreita colaboração com processadores e embaladoras de alimentos, o que levou a um profundo entendimento de seus desafios operacionais específicos. A TOMRA vê o relacionamento com os clientes como um processo colaborativo que envolve processadores e embaladoras no projeto de novas soluções.

bottom of page