Resíduos de construção e demolição: De redução para a reciclagem em circuito fechado e aberto


À medida que a demanda por matérias-primas está crescendo e o esgotamento dos recursos naturais está em ascensão, as instalações avançadas de recuperação de resíduos e as plantas de reciclagem estão se tornando o foco da atenção. A STADLER, um fornecedor líder de plantas de classificação para a indústria de reciclagem, está vendo um aumento na demanda de plantas de classificação de resíduos capazes de produzir materiais de alta qualidade que podem ser reciclados para substituir parcialmente os recursos naturais brutos no ciclo de produção de materiais de construção.

A indústria da construção é de longe a maior geradora de resíduos da União Europeia – cerca de 870 milhões de toneladas em 2017 – o que representa 30% a 40% da geração total de resíduos nos países industrializados. Apesar dos altos volumes de CDW gerados, suas taxas de reciclagem variam enormemente em diferentes países ao redor do mundo: enquanto países como Holanda, Irlanda e Hungria relataram taxas de recuperação de 99% a 100% em 2017-2018, os números para outras nações variou de 0% a 69%. Em todos os casos, a maioria dos materiais recuperados são reciclados – usados principalmente para construção de estradas, fundações de edifícios ou enviados para aterros. Isso significa que os materiais recuperados não substituem ou reduzem significativamente o uso de matérias-primas no processo produtivo, dificultando uma economia circular efetiva.

“Isso representa um enorme potencial inexplorado”, diz o Dr. Juan Carlos Hernández Parrodi, Gerente Sênior de Projeto, Pesquisa e Desenvolvimento da STADLER. “Normalmente, o CDW é composto de concreto, madeira, metais, vidro, entulho de alvenaria, pedras, solo, areia, gesso, gesso cartonado, asfalto, plástico, isolamento, papel, papelão e componentes de construção recuperados. Há muito pouco que não pode ser reciclado – o potencial de reciclagem desses resíduos pode ser superior a 90%.”

Os materiais recuperados do CDW podem ser reciclados em uma variedade de aplicações. Por exemplo, hoje menos de 5% dos agregados recuperados são usados na produção de concreto novo. No entanto, os agregados recuperados são considerados adequados para a substituição de 10% a 20% de agregados virgens para muitas aplicações de concreto, que vão desde o assentamento de tubos até a construção de concreto e blocos. “De fato, alguns estudos anteriores apontaram que, se processados adequadamente para remover umidade e impurezas, os agregados recuperados podem até ter vantagens sobre as matérias-primas em alguns casos, como maior resistência à compressão e maior gama de aplicações na indústria da construção,” explica Hernández Parrodi.

10 visualizações0 comentário