Pesquisa aponta falta de transparência na indústria,

causando confusão sobre conceito de alimentação saudável

Os brasileiros têm múltiplas interpretações a respeito do significado de alimentação saudável, especialmente quando as opções são alimentos naturais ou industrializados. Segundo pesquisa realizada pela Offerwise em parceria com a Liv Up, startup de alimentação saudável e mercado online, 67,1% afirmaram que possuem uma alimentação relativamente ou muito saudável. Porém, deste total, 49,3% consomem alimentos industrializados, artificiais e/ou ultraprocessados em uma proporção igual ou maior do que alimentos naturais, como pães de forma, seguido pelos chocolates e pelas bolachas ou biscoitos salgados.

Em relação ao período da pandemia, apenas 33,5% das pessoas afirmam que a qualidade da alimentação melhorou. Em contrapartida, entre os consumidores que não consideram ter uma alimentação saudável, 45% deles afirmam que o isolamento social colaborou para que os hábitos alimentares piorassem.

Outro ponto interessante observado ao longo da pesquisa foi o local onde os consumidores estão habituados a fazer suas compras: segundo 64,8% deles, comparecer presencialmente ao supermercado ainda é a principal forma de comprar alimentos; já as compras online são as preferidas apenas para 8% dos consumidores. No entanto, o número de pessoas que fazem compras online entre as que se consideram saudáveis aumenta para 17%, dado que reforça a visão do crescente mercado de foodtechs, especialmente as de venda de orgânicos, que entenderam que parte de seu papel para a transformação do setor, para pela digitalização e suporte ao desenvolvimento da agricultura.