Grupo Boticário inicia testes de embalagens alternativas ao plástico derivado do petróleo


O Grupo Boticário tem direcionado esforços para ampliação de sua área de Pesquisa e Desenvolvimento em busca de soluções que unam tecnologia e inovação com o objetivo de neutralizar cada vez mais os impactos de suas atividades no meio ambiente. Tais esforços têm gerado resultados verdadeiramente positivos. A exemplo disso, testes realizados com novas tecnologias que possibilitam a descoberta de materiais com menor impacto ambiental para embalagens cosméticas, como alternativa aos materiais derivados do petróleo, tornando toda a cadeia da beleza mais sustentável.

“O investimento em tecnologia e inovação é uma constante do Grupo Boticário. Mapear e solucionar os resíduos gerados por embalagens é um dos nossos maiores desafios. Por isso, o time de Pesquisa e Desenvolvimento, junto com parceiros do ecossistema de inovação, está estudando oito novas tecnologias pioneiras relacionadas à sustentabilidade em cosméticos”, afirma Gustavo Dieamant, Diretor Executivo de P&D.

As novas tecnologias desenvolvidas pela área de Pesquisa e Desenvolvimento e validadas por Performance de Produtos do Grupo Boticário passarão a ser testadas já em protótipos, são embalagens feitas de madeira e liga natural, batata doce, óleo descartado em restaurantes, PVA, subproduto biodegradável e mandioca. Ainda no primeiro semestre de 2022, na fase de testes com consumidores, serão avaliadas de acordo com desempenho e aparência. Ao final da avaliação, as embalagens com melhores resultados devem ser adotadas em produtos das marcas do Grupo Boticário.

“O Grupo Boticário assumiu compromissos ambiciosos em ESG que visam mapear e solucionar 150% dos resíduos da nossa cadeia. Com isso, estamos concentrando esforços em inovação para encontrar soluções que gerem impactos verdadeiramente positivos. Esta é uma das missões da nossa área, que tem se debruçado em análises e estudos para transformar o nosso ecossistema, de fornecedores, consumidores a cooperativas e trabalhadores da área de reciclagem”, afirma Juliana Canellas, Diretora de Qualidade, Segurança, Meio Ambiente e Performance de Produtos.

10 visualizações0 comentário