top of page

ESG: Marcas aderem embalagens feitas de plástico retirado do oceano e litoral


O Brasil tem até 2040 para alcançar a taxa de reciclagem de 48% dos resíduos que produz, deixando para trás o índice atual de 4%, de acordo com a meta do Plano Nacional dos Resíduos Sólidos (Planares), regulamentado por decreto federal em abril de 2022. O plano que prevê a extinção dos lixões em dois anos, a serem completados em 2024, tem como proposta reciclar mais de 100 mil toneladas de resíduo sólido urbano por dia em 2040, quase metade do gerado hoje no país. Para ajudar o Brasil e o mundo a serem mais sustentáveis, marcas de produtos de bem-estar e higiene já estão fazendo sua parte, entregando produtos em embalagens com plásticos retirados do oceano e litoral, como as marcas de beleza e bem-estar Natura e PiperWai, e a Onda Eco, marca de produtos de limpeza ecológicos.

As embalagens da Onda Eco trazem um dos grandes orgulhos da marca: são produzidas com plásticos retirados dos oceanos e do litoral. “A cadeia de reciclagem no Brasil vem crescendo, mas não é suficiente. O grande desafio é garantir que o plástico seja descartado da maneira correta para que ele chegue a uma planta de reciclagem, pois o índice atual de reciclagem no Brasil é muito baixo”, conta Stefania Bonetti, CEO e fundadora da Onda Eco.

O parceiro da Onda Eco, Clean Plastic, coordena toda a operação e consegue garantir uma rastreabilidade para o plástico da empresa. Isso é possível graças à coleta do lixo das praias, litoral e zonas de risco, além da reciclagem de todo material. A empresa também tem ONGs parceiras, como a Eco Local, que fazem a limpeza de praias e zonas litorâneas e entregam o lixo plástico para reciclagem. Desse material é produzida a resina utilizada para soprar as embalagens da Onda Eco, o que as torna 100% recicladas e 100% recicláveis.

Comentarios


bottom of page